sábado, 26 de fevereiro de 2011

Antipoema x Paródia


Inúmeros escritores, por falta de conhecimento, confundem “antipoema” com “paródia”. O primeiro consiste em imitar, cômica ou satiricamente, uma obra séria. O segundo, em exprimir em versos uma idéia afirmando, com sentido inverso, o que está contido em outro poema.
Em uma das aulas que me deu, o mestre Ildásio Tavares propôs que fizesse um antipoema a um poema seu ainda inédito, um eneassílabo trímetro (verso de nove sílabas poéticas com cesuras na 3ª, 6ª e 9ª) intitulado Clara Sombra. Com o espírito de “um verso puxando outro” acabei superando o desafio compondo o meu Claro Entardecer. Espero que gostem.

CLARA SOMBRA
Ildásio Tavares

Passeavas azul em silêncio
sobre nuvens acima do mar:
tua sombra no mar ia clara,
sutilmente no seu navegar.

Nuvens turvas cobriram o céu,
passeavas no azul a brilhar:
tua sombra no mar ia clara
contra o escuro do céu e do mar.

Pouco importa se o vento do norte
de repente soprou a gelar.
Pouco importa se as trevas da morte
o horizonte vieram tragar.

Tua sombra no mar ia clara.
Minha vida só fez clarear.


CLARO ENTARDECER
Gustavo Felicíssimo

Passeavas, mas não em silêncio,
nesta rua, bem próxima ao mar:
tua sombra no muro escondida
escondia o teu caminhar.

Nenhum pássaro ia no céu,
nem as nuvens te viram passar:
tua sombra no muro escondida
escondeu-se também do luar.

Era triste, tão triste o crepúsculo,
sem o vento primevo a cantar.
Sem a lira dos teus vinte anos
já não fazes o céu desabar.

Tua sombra no muro escondida
escondeu-me do teu caminhar.

5 comentários:

Anônimo disse...

Mas quanta pretensão,
quer dizer que "superastes" o mestre Ildásio? Francamente...

Gustavo Felicíssimo disse...

conclusão tão idiota, só pode ter sido formulada por um idiota! digo que "acabei superando o desafio", por ter conseguido, pura e simplesmente, cumprir o que me foi proposto. Esses fantasmas são tão idiotas e pretensiosos que, o simples fato de ter leitores desse nível, me envergonho.

D.Everson disse...

Muito bom os dois poemas meu chapa

George Nova disse...

Bola pra frente Gustavão! Sua poesia pulsa e encobre o grito dos canalhas desesperados... Pq motivo não assinam suas missivas, esses idiotas? Não possuem culhões suficientes para assinarem embaixo daquilo que escrevem...

Luis Felipe de Assis Pinheiro disse...

Ambos os poemas são fodidos de bom!

Eu gostei!

Abraço!