quinta-feira, 23 de julho de 2009

Piligra: a revelação de um ótimo poeta

Quando nos propomos a falar sobre a “poesia” enquanto um “problema” ou ainda sobre “o problema da poesia”, o senso comum quase que de imediato se mostra perplexo, num misto de estranheza e sarcasmo. Desde quando a poesia é um problema? Existe de fato relevância nesse tema? São questionamentos não raros e maculados pelo conhecimento comum, que tende a ver as coisas de forma periférica, como quem vê apenas a ponta de um iceberg e julga, ingenuamente, conhecê-lo em sua totalidade, considerando, portanto, desnecessário depreender esforço reflexivo sobre ele.
Contribui para isso o fato de que o conceito de poesia se tornou tão amplo que acabou por comprometer a identidade do poema e também do poeta. Sobre isso podemos dar um exemplo clássico: não raro encontramos letristas de música popular sendo chamados de poeta e suas “letras musicais” sendo levadas à sala de aula por professores para serem estudadas como se fossem poemas. Um absurdo.
Faço esse preâmbulo, nada mais, nada menos, para lhes mostrar um poeta de verdade, sensitivo e lírico, um cara que faz jus ao título de poeta, pois valoriza a poesia com sua produção, tornando-a acessível dentro de uma forma modelar, dentro da qual molda seu canto e que somente néscios ou ignorantes não creditam valor. Falo de Lourival P. Piligra Júnior, ou, simplesmente, Piligra. Nascido em Itabuna, BA, é professor universitário, possui Mestrado em filosofia pela UFPB (Universidade Federal das Paraíba).
Piligra elegeu o soneto como sua principal fonte de expressão. Como se não bastasse, é o alexandrino trímetro o verso de sua predileção. Esse tipo de verso, normalmente solene, foi transformado pelo poeta em algo extremamente revelador, onde utiliza uma linguagem coloquial marcada por tônicas fortes, concebendo um verso extremamente musical, aproximado mesmo da canção, mas sem extrapolar o limite do verso.
Considera-se um trímetro perfeito o verso que, mesmo possuindo cesura nas sílabas 4/8/12, também contempla a sexta sílaba, formando assim, dois hemistíquios de seis sílabas. Por eliminar a cesura na sexta sílaba, o trímetro de Píligra é considerado pelos estudiosos como imperfeito, mas é justamente por isso e também pelo bom andamento que possui seus versos que ele consegue aquela aproximação com a canção.
O que nos parece um absurdo em sua produção é que o poeta, ainda inédito, já possui mais de dois mil poemas escritos, muitos deles belíssimos. Em sua estadia de aproximadamente 60 dias na Alemanha, compôs, acreditem, sessenta haicais e duzentos sonetos. Mas esse é um assunto demorado, adequado para outra postagem.

Dois poemas de Piligra

Um Beija-flor

um beija-flor pousou na minha poesia
com sutileza como um anjo iluminado,
seu olhar divino me deixou impressionado
- doce metáfora de um verso à luz do dia...

o beija-flor ficou me olhando ali parado,
simples paisagem da mais pura fantasia,
seu olhar de flor brilhou com força e alegria
- jardim suspenso, no meu verso eternizado...

um beija-flor pousou seus pés de sutileza
na minha alma de poeta embrionário,
um filme lírico de amor e de beleza,
tela compondo, como um conto, o meu cenário...

- o beija-flor agora sonha que é um canário
e canta hinos pra alegrar minha tristeza!


Concepção

Para Graciete, Bárbara e Elisandra


eu já concebo o verso assim metrificado
como arquiteto que planeja um edifício
na exatidão do prumo reto e equilibrado
sem perguntar se isto é fácil ou é difícil!

eu já concebo a rima assim – intercalada,
numa urdidura trabalhosa e singular –
puxando o fio de cada sílaba marcada
pelo tecido de uma métrica “sem par”!

eu já concebo o meu soneto alexandrino
(como a matriz de uma equação vetorial)
fazendo cálculo semântico e verbal,

com meu compasso atrapalhado de menino!
eu já concebo o meu poema ornamental
como operário que dá forma ao que é divino!

4 comentários:

Chris Herrmann disse...

Que prazer visitar o seu blog e ler este ótimo artigo sobre o Piligra, quem você acabara de me apresentar. Uma honra. E que interessantes e movimentadores de pensamento estes poemas.

Um abraço a você, Gustavo e ao Piligra.

Chris

piligra disse...

Olá Gustavo

hoje reli, outra vez, o seu pequeno, mas substancial, artigo sobre a descoberta do Piligra, eu realmente agradeço, é, de fato um texto bondoso e sincero com aquilo que faço e escrevo... estou agora no meu blog tentando revelar o modo como escrevo e produzo, tem dias que escrevo cinco, três, dois, um, mas eu sempre publico que o produzo no dia... acredito que agora o blog poderá revelar com detalhes a minha poéisis esquizofrênica...obrigado pelo carinho...Piligra...

Elena disse...

Descobri o Poeta no Recanto das Letras.Tenho um certo "faro"para joias da Literatura,a qual dediquei toda minha vida.Realmente trata-se de um grande Poeta.Prazer estar aqui,aprendendo mais um pouco sobre a arte das palavras deste menino culto cuja sensibilidade encantou-me deveras.Obrigada.

BAR DO BARDO disse...

Piligra não é fácil!