terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Valeu, Doutor Sócrates


Acordo nesta manhã de um domingo primaveril, nublado e renitente em Ilhéus, sem praia, portanto, enquanto uma notícia me acerta o fígado como um cruzado certeiro de Éder Jofre. Leio-a e silencio. Leio-a e entendo porque o céu está enegrecido: lutuoso chora a morte de um deus que se disfarçou de homem para dar-nos alegrias dominicais.
Somente um deus extremamente generoso deixaria o conforto do Olimpo, a companhia das ninfas, os banquetes báquicos, para se misturar ao povo e encarnar o que ele tem de melhor a fim de proporcionar-lhe um pouco de diversão, passatempo com altas doses de emoção, anestésicos toques de calcanhar amenizando os efeitos da opressão.
“Morreu o Doutor Sócrates”, diz a notícia do jornal enquanto pela casa emana a voz de Gonzaguinha ampliando a melancolia experimentada. “Não se espante, cante”, diz a canção enquanto o meu coração teima em se pronunciar: “Não, ele não morreu”. Afinal, a morte é um exagero para quem amou a vida, para quem nos braços do povo jamais morrerá.
Tivera tempo ou não de fazer como Manuel Bandeira em Consoada? “Alô, iniludível”, a mesa não estava posta! Deixou esposa, seis filhos e uma legião de admiradores; parte deles por conta do refinadíssimo futebol que jogava no Corinthians ou na Seleção; outra parte por conta de posturas corajosas frente à realidade do país no seu tempo de jogador, sobretudo no início dos anos 80.
Politizado, fato raro para um jogador de futebol ainda hoje, Sócrates, o Calcanhar de ouro, deixou-se envolver pelo movimento Diretas Já ao ponto de garantir que se a emenda Dante de Oliveira, que estabelecia o voto direto no País, fosse aprovada, ele permaneceria jogando aqui, mesmo sendo muito assediado por clubes europeus. Como isso não aconteceu, se transferiu para a Itália no ano de 1984. Como jogador foi craque, como homem foi um intelectual. Escreveu para o teatro, fez letras de música e atuou na imprensa escrita e televisiva brasileira, nem sempre falando apenas sobre futebol.
No ano de 1992, durante as Olimpíadas de Barcelona, me encontrei ocasionalmente com Sócrates no Vesúvio. Cada um tomava seu chopinho durante a final do vôlei contra a Holanda, jogo que consagrou aquela geração formada por Tande, Giovane, Marcelo Negrão, Maurício e companhia. Como as mesas estavam muito próximas, o papo rolou naturalmente, e continuou após o jogo. Entre um gole e outro, falamos inevitavelmente de futebol, sobretudo fut-volei, que ele andava praticando. Tudo sem tietagem. Tenho horror a isso.
Quando soube que sou natural de Marília, Sócrates começou a relembrar algumas partidas que havia feito na cidade. A muitas delas eu assisti. Sim, embora fosse apenas um garoto, e sãopaulino, tive o prazer de vê-lo ao vivo desfilar sua elegância por um campo de futebol.
Agora essa notícia... Embora isso, foi emocionante acompanhar pela TV tantas homenagens, tantos minutos de silêncio nos estádios, tanto respeito por sua figura. Quem acompanhou às resenhas pôde perceber que não houve especialista que não o reverenciasse.
Sócrates deixou a sua marca e foi em paz, no dia em que seu time de coração se sagrou pentacampeão brasileiro, deixando-nos com a certeza de termos visto um Poeta do futebol.
Adeus, adeus Doutor. Sabes, agora, como é frágil a nossa existência. Sabes, agora, sobre as nuvens pétreas, conheces o cais de onde partimos e como num passe de mágica visitastes as maravilhas do mundo. Batestes suas asas de colibri e fostes, no fluxo do vento, beijar outra flor em outro jardim.

                                     Gustavo Felicíssimo

Um comentário:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Blog linkado, Gustavo.
Abraços,

www.cinzasdiamantes.blogspot.com