terça-feira, 31 de agosto de 2010

Imperdível: José Castello entrevista Ferreira Gullar para O Globo

A literatura tem que mudar a vida (Ferreira Gullar)
A mesa de jantar está coberta de livros, servidos à fome dos que entram. Nas paredes, quase não sobram espaços: pinturas, aquarelas, serigrafias, que sobem até o teto. Em um canto da sala, algumas pinturas em andamento, poucas, discretas, em que o próprio Ferreira Gullar trabalha. “Isso não tem importância. Faço só para me distrair”. Resiste um pouco a posar para uma foto ao lado de um dos esboços. Mas logo cede. Aos 80 anos, apesar da magreza crônica e do ar um tanto frágil, nada mais parece atingi-lo.

Leia a entrevista:

domingo, 29 de agosto de 2010

Bruno Tolentino está de volta

Não perece quem lega à humanidade uma obra tão grandiosa, tão repleta de vida, por isso Bruno Tolentino está de volta com a reedição de uma de suas obras mais conhecidas, AS HORAS DE KATHARINA, grande responsável pela consolidação de seu nome como um dos principais autores nacionais contemporâneos. A obra sai pela Record sob a organização de Guilherme Malzoni, com comentários de Juliana Perez e notas do meu amigo Jessé Primo. O melhor é que a reedição da obra vem acompanhada pela publicação da peça inédita A ANDORINHA, OU; A CILADA DE DEUS.

Indo um pouco além
Para o crítico Manuel da Costa Pinto, “Bruno Tolentino conjugava em sua poesia elementos modernos e antimodernos. Era antimoderno em relação ao modernismo brasileiro, pois recusava suas soluções formais de coloquialidade e concisão”. Mas por outro lado a voz de Bruno se aproximava de certo modernismo europeu, que associava formas clássicas à voz das ruas.
Polemista, em 1996, depois de morar 30 anos fora do Brasil, manifestou em entrevista à revista Veja sua preocupação por ver o filho mais novo estudando em escolas que ensinavam as obras de letristas da MPB - como Caetano Veloso - ao lado de Machado de Assis, Camões e Fernando Pessoa. Com muita coragem ele afirmou que era “preciso botar os pingos nos is. Cada macaco no seu galho, e o galho de Caetano é o showbiz. Por mais poético que seja, é entretenimento. E entretenimento não é cultura”. Ele também disparou contra Chico Buarque e os irmãos concretistas Haroldo e Augusto de Campos, ainda contra críticos literários e professores da USP.

Neste link a polêmica entrevista:
http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/bruno-tolentino-3-na-veja-ha-11-anos-so-entro-numa-universidade-disfarcado-cachorro/

Abaixo, o segundo poema do livro:

Noturno

I.

Porque o amor não entende
que tudo quer passar,
nunca, nunca consente,
a nada o seu lugar.

Planta presa, de alpendre,
sacudindo no ar
braços impenitentes,
tenazes, em lugar

de aceitar que não prende
nada, o amor quer dar
apaixonadamente
laços à luz solar

e é noite de repente.


II.

Se ainda te iluminar
com um olhar novamente,
sei que não vais estar
tão perto; a alma entende,

o corpo quer gritar!
Porque o olhar apreende
mais do que alcança dar,
à distância, na mente,

de que vale um olhar
com a noite pela frente?
Essa noite que tende
a unir e separar

inapelavelmente...

sábado, 28 de agosto de 2010

Vozes femininas da poesia na América do Sul - Gladys Carmagnola

O Paraguai legou-nos a grande voz de Josefina Plá, poeta que embora nascida na Espanha, possui obra e vida totalmente identificadas com a cultura do país sulamericano. Entretanto, nesta postagem, falamos de Gladys Carmagnola, poeta que possui obra amplamente conhecida e reconhecida em sua pátria e demais entes hispanos.
Tendo recebido diversos prêmios literários, Gladys Carmagnola, chamada por Hugo Rodríguz-Alcala de “embaixadora do vento e da chuva”, nasceu em Guarambaré, em 1939, e escreve desde a adolescência. Seu primeiro livro foi “Ojitos negros”, lançado no já distante ano de 1965. De lá para cá, seguiram outras vinte publicações entre obras para o público infantil e adulto.
De sua autoria possuo apenas um livro, que é “De Banderas y señales”, de 1998, de onde extraí o poema abaixo, obra em que percebemos claramente uma poeta fecunda e consciente do tempo presente, que valoriza o uso da língua comum, ao rés da fala, e que além de possuir algo de próprio a dizer, o diz muitas vezes com uma consciência nascida do saber e de circunstâncias muito pessoais.

CANÇÃO

A canção possui facas
que ferem, hoje mais que antes
- mil punhais assassinos
aos que não se culpam –

facas que desde o vento
com o fio da tarde
apunhalam a palavra
e entre estertores e sangue
deixam uma e outra lágrima
(Isso não me extasia!)

facas que se refugiam
covardes, em qualquer parte,
enquanto no ar cresce a canção
com letras que são cadáveres.

(Tradução: Gustavo Felicíssimo)


CANCIÓN

La canción tiene cuchillos
que hieren, hoy más que antes
-mil puñales asesinos
a los que no acusa nadie-

cuchillos que desde el viento
con el filo de la tarde
apuñalan la palabra
y entre estertores y sangre
dejan una que otra lágrima
(¡Eso no me lo arrebaten!)

cuchillos que se refugian
cobardes, en cualquier parte,
mientras en el aire crece la canción
con letras que son cadáveres.

Relação externa:
http://www.antoniomiranda.com.br/Iberoamerica/paraguai/gladys_carmagnola.html

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Um haikai de Jorge Luis Borges

La ociosa espada
sueña con sus batallas.
Otro es mi sueño.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Um haikai de Laís Chaffe

nada de lua cheia
nada de arte
nada, baleia jubarte

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Originalidade e plágio

Recentemente, Helene Hegemann (foto), uma jovem alemã de apenas 17 anos, fez grande sucesso de crítica com seu primeiro romance, intitulado Axolotl Roadkill.
O problema é que logo se descobriu que longos trechos desse romance haviam sido copiados da obra de um autor menos conhecido. Pois bem, longe de pedir desculpas pelo plágio, a moça afirmou que "não existe originalidade; o que existe é autenticidade". É evidente que o fato de não haver originalidade absoluta não significa que não haja originalidade relativa ou que esta não possa em princípio ser conferida. Contudo, a falsa tese de que simplesmente não existe originalidade tornou-se trivial nesses tempos de internet e de "cópia e cola", e é frequentemente invocada, nos Estados Unidos (será diferente no Brasil?) por alunos universitários acusados de plágio. Segundo a antropóloga Susan D. Blum, professora da Universidade de Notre Dame, em Indiana, "nossa noção de autoria e originalidade nasceu, floresceu, e pode estar murchando".

Fonte: Folha de S. Paulo - 21/08/2010 - Por Antonio Cicero

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Leitura que vem do berço

Especialistas defendem que pais leiam para filhos a partir dos seis meses, porque melhora a cognição e o desempenho escolar

Ler ou não ler para o bebê, eis uma questão que David Dickinson, doutor em educação pela Universidade de Harvard, e Perri Klass, pediatra, escritora e professora de pediatria e jornalismo da Universidade de Nova York, garantem saber responder. Sim, deve-se ler e muito, a partir dos 6 meses de vida, mas sem deixar os olhinhos do neném arregalados com a maluquice de Hamlet ou as desgraças de Rei Lear. A recomendação dos super-especialistas é incluir, em meio à troca de fraldas, a mamadeiras, passeios e choros, o folhear diário das páginas de um livro apropriado para aquela faixa etária, cheio de cores e figuras. Para eles, esta é a melhor forma de desenvolver a inteligência da criança e a sua linguagem oral e escrita, preparando-a para a alfabetização e aprimorando sua capacidade de aprender. Que fique claro: a ideia não é transformar o bebê num minigênio. Os especialistas, que apresentaram pesquisas científicas na Bienal de São Paulo na semana passada provando como a leitura interfere no desenvolvimento cognitivo da criança, querem prazer e interação ao som da narrativa dos pais. Os benefícios desse ritual são insubstituíveis.
Fonte: O Globo - 23/08/2010 - Por Simone Intrator

sábado, 21 de agosto de 2010

José Delmo - 40 anos no palco

Meu querido amigo e ator José Delmo, reverenciado como um dos ícones do teatro da minha terra e excepcional contador de histórias, está comemorando 40 anos de atuação no teatro. Para celebrar, em breve entrará em cartaz na Casa dos Artistas, em Ilhéus, com seu mais novo espetáculo, UM ATOR EM BUSCA DE UM TEXTO. Enquanto isso alguns amigos começam a preparar uma exposição fotográfica sobre a sua trajetória a ser instalada na Galeria o Teatro Municipal de Ilhéus no próximo mês de dezembro.
Abaixo, minha homenagem a esse herói da resistência.
clique na imagem para vê-la em tamanho maior

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Vozes femininas da poesia na América do Sul - Gabriela Mistral

Quando pensamos em poetas chilenos o primeiro nome que nos vem à mente é o de Pablo Neruda, pois sua popularidade, favorecida em partes pela propaganda comunista, colocou sob cortinas o de Gabriela Mistral, a responsável pelo primeiro Nobel de Literatura da América Latina, em 1945.
Seu nome verdadeiro era Lucila Godoy Alcayaga. Adotou o nome de Gabriela em homenagem ao poeta italiano Gabriele D’Annunzio e, Mistral, como forma de expressar sua admiração pelo poeta provençal Frederic Mistral.
Em 1907, um fato trágico marcaria sua vida e obra para sempre. Seu noivo se suicidou e Gabriela nunca se casou, findando por dedicar sua vida ao trabalho, educação e causas femininas. Entre outras funções, foi Consulesa do Chile em diversos países, inclusive no Brasil durante o ano de 1940, sendo mais tarde designada como Consulesa geral em nosso país.
Em 1914, venceu seu primeiro concurso literário no Chile com os famosos “Sonetos de la Muerte”. Em 1922 publica seu primeiro livro de poemas, “Desolación”; este contém o poema “Dolor”, no qual fala da perda do amado. Após, seguem-se outros, entre eles destacamos “Ternura”, de 1924, “Tala”, de 1938 e “Lagar”, de 1954. Recentemente o coletivo teatral chileno El Signo montou a peça teatral Las Huellas de Gabriela (As pegadas de Gabriela), montagem baseada em sua vida e obra.

Chama-nos atenção em sua obra a construção de imagens singulares, expressas com intensidade inconfundível, onde se amalgamam sentimentos antagônicos que se equilibram muito bem: a ardência e a quietude, o amor e a solidão, a vida e a morte.

Sonetos da morte

Do nicho gelado em que os homens te puseram,
abaixarei-te à terra humilde e ensolarada.
Que hei de dormir-me nela os homens não souberam,
que havemos de sonhar sobre o mesmo travesseiro.

Deitarei-te na terra ensolarada com uma
doçura de mãe para o filho dormido,
e a terra há de fazer-se suave como berço
ao receber teu corpo de criança dolorido.

Logo irei polvilhando terra e pó de rosas,
e na azulada e leve poeira da lua,
os despojos levianos irão ficando presos.

Afastarei-me cantando minhas vinganças formosas,
porque a essa profundidade oculta a mão de nenhum
abaixará a disputar-me teu punhado de ossos!

II

Este longo cansaço se fará maior um dia,
e a alma dirá ao corpo que não quer seguir
arrastando sua massa pela rosada via,
por onde vão os homens, contentes de viver...

Sentirás que a teu lado cavam briosamente,
que outra dormida chega a quieta cidade.
Esperarei que me hajam coberto totalmente...
E depois falaremos por uma eternidade!

Só então saberás o porque não madura
para as profundas ossadas tua carne ainda.
Tiveste que abaixar, sem fadiga, a dormir.

Fará-se luz na zona das sinas, escura:
saberão que em nossa aliança, signo de astros havia
e, quebrado o pacto enorme, tinhas que morrer...

III

Más mãos tomaram tua vida desde o dia
em que, a um sinal de astros, deixara seu viveiro
nevado de açucenas. Em gozo florescia.
Más mãos entraram tragicamente nele...

E eu disse ao Senhor: - "Pelas sendas mortais
levam-lhe. Sombra amada que não sabem guiar!
Arrancá-lo, Senhor, a essas mãos fatais
ou lhe afundas no longo sonho que sabes dar!

Não lhe posso gritar, não lhe posso seguir!
Sua barca empurra, um negro vento de tempestade.
Retorná-lo a meus braços ou lhe ceifas em flor ".

Deteve-se a barca rosa de seu viver...
Que não sei do amor, que não tive piedade?
Tu, que vais a julgar-me, o compreendes, Senhor!

Para saber mais:
http://www.gabrielamistral.uchile.cl/

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Luto – Faleceu o poeta Sérgio Marinho

Peço licença aos leitores para dar uma pausa na série de textos sobre as Vozes femininas da poesia na América do Sul para noticiar a morte do haikaísta e meu amigo, Sérgio Marinho, nesta terça-feira, em Salvador.
A notícia causou-me espanto, pois há pouco tempo estive com ele e Carlos Verçosa na comemoração dos 70 anos de Ildásio Tavares. O poeta, orgulhoso faixa preta de karatê zen, me parecia muito bem.
Não sei ainda causa do óbito, mas para mim a perda é tremenda, pois foi Sérgio quem há cerca de dez anos atrás me apresentou o haikai, bem como a obra de Oldegar Vieira.
Seus haikais são alinhados à estética da contracultura e sua obra anda dispersa e pouco publicada em nossos veículos especializados, pois avesso às publicações, sequer tinha o cuidado de catalogar seus poemas que ficavam guardados exclusivamente na memória. Também eram raras as oportunidades de vê-lo recitar em público. Entretanto, sempre que me encontrava anotava algum novo haikai em algum papel de rascunho e me entregava.

Deixo aqui minha homenagem ao amigo, publicando alguns haikais de sua lavra:

todos os meus ais
cabem
num hai-kai

-

ao olhar do travesti
confesso:
não resisti

-

em matéria de vôo
tira de letra
a borboleta

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Vozes femininas da poesia na América do Sul - Delmira Agustini

Delmira Agustini (1886 – 1914) é uruguaia, nascida em Montevidéu. Filha de Italianos imigrantes, foi criança precoce. Consta em sua biografia que além de começar a escrever poemas quando ainda tinha 10 anos, estudou francês, música e pintura. Apesar de ter falecido muito cedo, com apenas 28 anos, ainda é considerada como uma das maiores poetas latino-americanos do início do século 20. Faz parte da geração de 1900, juntamente com Julio Herrera y Reissig, Leopoldo Lugones e Rubén Darío, a quem ela considerava seu professor. Naquele período, Darío, referindo-se à Agustini, afirma ter sido ela a única escritora mulher, desde Santa Teresa D’avila, a expressar-se como uma mulher, o que naquele tempo era mesmo um grande diferencial devido toda uma conjuntura machista existente.
Ela se especializou no tema da sexualidade feminina em uma época em que o mundo literário era dominado pelos homens. Seu estilo de escrita é considerado o melhor da primeira fase do modernismo, com temas baseados em fantasia e exotismos.
Eros, deus do amor, simboliza o erotismo e é a inspiração para os poemas Agustinianos sobre prazeres carnais. Ele é o protagonista de muitas das suas obras literárias. Seu terceiro livro, “Los Calices Vacíos” em 1913 foi aclamado como a sua entrada para um novo movimento literário, "La Vanguardia".
Agustini tinha olhos azuis, pele clara e uma figura esguia. Alguns amigos testemunharam que ela parecia um anjo inocente. O amor incondicional e arrogante levou-a a temas de submissão e de charme, assim como imagens eróticas altamente espiritualizadas.

Delmira Agustini publicou as seguintes obras: El Libro Blanco (1907), Cantos de la Mañana (1910), Los Cálices Vacíos (1913), El Rosario de Eros (1913), Los Astros del Abismo (1924). No Brasil tem publicado “Líricas”, edição bilíngüe, Desterro, SC, Edições Nephelibata, 2005. Tradução de Gleiton Lentz


O INTRUSO

Amor, naquela noite trágica e soluçante
Cantou tua chave de ouro em minha fechadura;
E logo, a porta aberta sobre a sombra arrepiante,
Te vi como uma mancha de luz e de brancura.

Tudo me iluminaram teus olhos de diamante;
Beberam-me na taça teus lábios de frescura,
Na almofada pousaste-me a cabeça fragrante;
Amei-te o atrevimento e adorei-te a loucura.

E hoje rio se ris e canto se tu cantas;
Se dormes, durmo como um cão a tuas plantas!
Na própria sombra levo a tua recendente

Primavera; e, se a mão tocas na fechadura,
Tremo e bendigo a noite que -soluçante e escura-
Floriu na minha vida tua boca amanhecente.

(Traduzido por Anderson Braga Horta)


O INEFÁVEL

Morro de estranho mal. Não, não me mata a vida
a morte não me mata e nem me mata o amor.
Morro de um pensamento mudo como ferida.
Não sentiste jamais aquela estranha dor

de um pensamento imenso enraizado à vida
devorando alma e carne e não alcança a dar flor?
Nunca levastes dentro uma estrela dormida
por inteiro a abrasar-vos sem nenhum fulgor?

Cúmulo dos martírios! Levar eternamente
desgarradora e seca a trágica semente
como um dente feroz que as entranhas corroeu.

Mas arrancá-la em flor que amanhecera um dia
milagrosa e ideal — ah! maior não seria
do que ter entre as mãos a cabeça de Deus.

(Tradução de Henriqueta Lisboa)

Ligação externa:
http://www.patriagrande.net/uruguay/delmira.agustini/index.html

domingo, 15 de agosto de 2010

Vozes femininas na poesia da América do Sul - Blanca Varela

Blanca Varela é a grande dama da poesia peruana. Sua obra possui forte senso de humanidade e é densamente influenciada pelas correntes surrealistas do pós-guerra.
Nacida em Lima, em 1926, muito jovem ingressou na Universidade de São Marcos para estudar Letras e Educação, onde conquistou a amizade de importantes intelectuais da época. Em 1949 se radicou em Paris, onde conheceu Octávio Paz que foi determinante em sua carreira literária introduzindo-a no círculo de intelectuais latino-americanos e espanhóis radicados na França.
Posteriormente viveu em Florença e Washington, onde se dedicou principalmente à traduções. Em 1959 publicou seu primeiro livro, “Esse porto existe”. “Luz do dia” foi publicado em 1963 e “Valsas e outras confissões” em 1971. Em 1978 teve publicado “Canto vilão”, a primeira compilação de sua escrita, mas a antologia definitiva de sua obra publicada sob o título “Como Deus no nada”.
Obteve o prêmio Octávio Paz de Poesia e ensaio em 2001, o Prêmio Cidade de Granada em 2006 e os prêmios García Lorca e Rainha Sofia de Poesia Ibero-americana em 2007. Faleceu na cidade de Lima, em Março de 2009.

CANTO VILÃO

e de pronto a vida
em meu prato de pobre
um magro pedaço de celeste porco
aqui em meu prato

observar-me
observar-te
ou matar a mosca sem malícia
aniquilar a luz
ou fazê-la

fazê-la
como quem abre os olhos e eleje
um céu farto
no prato vazio

rubens cebolas lágrimas
mais rubens mais cebolas
mais lágrimas

tantas histórias
negros indigeríveis milagres
e a estrela do oriente

emparedada
e o osso do amor
tão roído e tão duro
brilhando em outro prato

esta fome própria
existe
é a gana da alma
que é o corpo

é a rosa de gordura
que envelhece
em seu céu de carne

mea culpa olho turvo
mea culpa negro bocado
mea culpa divina náusea

não há outro aqui
neste prato vazio
senão eu
devorando os meus olhos
e os teus

(Tradução de Gustavo Felicíssimo)

Outros poemas de Blanca Varela:
http://www.lainsignia.org/2001/mayo/cul_002.htm

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Vozes femininas na poesia da América do Sul - Meira Delmar

Dentre os valores mais substanciosos da lírica feminina colombiana encontramos os versos de Meira Delmar, poeta do amor e da morte, sempre orientada por um ponto de vista feminino sobre estes temas, imprimindo em seus versos certo aspecto nostálgico, algo que não pode ser.
Diz Meira Delmar que o amor em sua poesia possui tons medidos, que não é um amor que grita ou exige, antes é um amor que está sempre indo, em busca.
Colombiana, grande amiga de Garcia Marquez, confessa que desde muito jovem foi leitora de outras autoras Sulamericanas como Mistral, Storni e Augustini, e que, de alguma forma elas podem ter lhe influenciado. Entretanto, sua lírica possui um acento reconhecidamente próprio, alcançado no próprio fazer poético, que tonifica e modula a sua voz, sem que esta seja devedora a nenhuma outra.
No Brasil, ao que nos parece, apenas o livro “Mundo Mágico: Colômbia” Edições Bagaço, Pernambuco, 2007, uma antologia da lírica daquele país, organizado e prefaciado por Lucila Nogueira e Floriano Martins, possui poemas de Meira Delmar, o que é extremamente lamentável e prova a quase completa ignorância brasileira sobre a obra de poetas não apenas da Colômbia, mas de toda América do Sul.

Minha morte

A morte não é ficar
com as mãos ancoradas
como barcos inúteis
em minhas próprias margens,
nem ter nos olhos,
a sombra da pálpebra
a última paisagem
naufragada em si mesmo.

A morte não é sentir-me
filha na terra obscura
enquanto move a noite
seu gomo de luzeiros,
e move o mar profundo
as naus e os peixes,
e o vento move estios,
outonos e primaveras.

Outra coisa é a morte!

Dizer teu nome uma
e outra vez entre a neblina
sem que tornes o rosto
a meu rosto, é a morte.
E estar de ti distante
quando dizes “A tarde
volta sobre as rosas
como uma asa de ouro”.

A morte é ir apagando
caminhos de regresso
e chegar com minhas lágrimas
a um país sem nós
e é saber que pergunta
meu coração em vão
por tua melancolia.

Outra coisa é a morte.

(Tradução de Gustavo Felicíssimo)

Relação externa:
http://www.los-poetas.com/f/delmar1.htm

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Vozes femininas da poesia na América do Sul - Alfonsina Storni

Apesar de nascida na Suiça, não há como negar que, como poeta, Alfonsina Storni é argentina. Aliás, uma das suas principais vozes até hoje. Alfonsina emigrou com seus pais para San Juan em 1896. Em 1901 muda-se para Rosário onde, segundo sua biografia, teve uma vida com muitas dificuldades financeiras, tendo trabalhado como costureira, operária, atriz e professora para ajudar no sustento da família.
A descoberta de câncer no seio, em 1935, e o suicídio de um amigo, o também escritor Horácio Quiroga, em 1937, abala-a profundamente. Em 1938 envia para um jornal o soneto “Voy a Dormir”. Três dias após suicida-se caminhando para dentro do mar. Seu corpo foi resgatado do oceano no dia 25 de Outubro de 1938. A poeta tinha 46 anos. A belíssima canção "Alfonsina y el mar", de Ariel Ramirez e Félix Luna foi gravada por Mercedes Sosa e tem até hoje grande repercussão.

Diante do mar

Oh, mar, enorme mar, coração feroz
de ritmo desigual, coração mau,
eu sou mais tenra que esse pobre pau
que, prisioneiro, apodrece nas tuas vagas.

Oh, mar, dá-me a tua cólera tremenda,
eu passei a vida a perdoar,
porque entendia, mar, eu me fui dando:
"Piedade, piedade para o que mais ofenda".

Vulgaridade, vulgaridade que me acossa.
Ah, compraram-me a cidade e o homem.
Faz-me ter a tua cólera sem nome:
já me cansa esta missão de rosa.

Vês o vulgar? Esse vulgar faz-me pena,
falta-me o ar e onde falta fico.
Quem me dera não compreender, mas não posso:
é a vulgaridade que me envenena.

Empobreci porque entender aflige,
empobreci porque entender sufoca,
abençoada seja a força da rocha!
Eu tenho o coração como a espuma.

Mar, eu sonhava ser como tu és,
além nas tardes em que a minha vida
sob as horas cálidas se abria...
Ah, eu sonhava ser como tu és.

Olha para mim, aqui, pequena, miserável,
com toda a dor que me vence, com o sonho todos;
mar, dá-me, dá-me o inefável empenho
de tornar-me soberba, inacessível.

Dá-me o teu sal, o teu iodo, a tua ferocidade,
Ar do mar!... Oh, tempestade! Oh, enfado!
Pobre de mim, sou um recife
E morro, mar, sucumbo na minha pobreza.

E a minha alma é como o mar, é isso,
ah, a cidade apodrece-a engana-a;
pequena vida que dor provoca,
quem me dera libertar-me do seu peso!

Que voe o meu empenho, que voe a minha esperança...
A minha vida deve ter sido horrível,
deve ter sido uma artéria incontível
e é apenas cicatriz que sempre dói.

Tradução de José Agostinho Baptista

Ligações externas:

Os poemas de maior relevância da autora: http://www.vivir-poesia.com/2003/01/alfonsina-storni-2/

Algumas traduções para o português:
http://luizfelipecoelho.multiply.com/journal/item/573/Oito_poemas_de_Alfonsina_Storni_1892-1938

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Livro digital – uma realidade

O livro digital ganha cada vez mais terreno, sobretudo após pesquisa realizada nos E.U.A. que apontou o fato de que em dez anos apenas 25% das obras publicadas serão impressas. Nós, amantes do livro em seu formato convencional lamentaremos, mas parece mesmo certo que acontecerá com o livro o mesmo que aconteceu com o vinil, e agora com o cd.
De carona nessa atmosfera alguns amigos que tenho aqui na Bahia criaram um selo para a publicação e distribuição gratuita de livros digitais, de autores inéditos e outros sem muito espaço no mercado editorial. Estão utilizando como base o selo que fundaram em 2006, laetitia editore, que aos trancos e barrancos conseguiu publicar fisicamente alguns títulos com recursos dos próprios autores, mas sem muita repercussão. Agora, chegam com a laetitia digital. Fazem parte do conselho editorial nessa empreitada, Gerana Damulakis, Tom Correia, Herculano Neto e Ediney Santana. As edições receberão toda organização de um livro físico: ficha catalográfica, capa, prefácio, revisão, (menos papel).
Um dos editores me diz que “conversando com escritores amigos, a queixa é basicamente a mesma: quase todos possuem livros engavetados à espera de uma oportunidade. Passeando, também, pelo universo virtual, tenho me deparado com muita gente interessante e talentosa. A laetitia digital vem, não para suprir essa lacuna, mas para dar um pouco de alento a esse tão competitivo, e às vezes injusto, mercado editorial; revelando e resgatando valores”.
Numa forma de demonstrar realmente sobre o que se trata o projeto, a primeira publicação é um volume conjunto de microcontos, de Ediney Santana e Herculano Neto, intitulado MAIS UMA DOSE. São trinta textos de cada autor, com prefácio de Tom Correia e revisão de Gerana Damulakis. Na parte inicial temos o universo fantástico de Ediney Santana, com homens-toupeiras, figuras que se refugiam em árvores, indivíduos combalidos que se transformam em peixes nadando em rios assassinados por metais pesados, cabeças com cigarras, entre outros delírios provocativos. Na metade final, Herculano Neto apresenta uma prosa mais urbana, com suicidas, desempregados, transexuais, viciados, carentes profissionais, presidiários e outros seres solitários que pululam nas metrópoles – quase sempre em primeira pessoa.

Blog da laetitia digital: http://laetitiadigital.blogspot.com

terça-feira, 10 de agosto de 2010

ENTREVISTA COM JORGE AMADO

Hoje, 10 de agosto, dia em que Jorge Amado completaria 98 anos se vivo estivesse, reproduzo uma belíssima entrevista autobiográfica, talvez a mais importante que o autor de “Mar Morto” concedeu em toda sua vida. Ocorrida em julho de 1981 ao jornalista Antônio Roberto Espinosa para o caderno Literatura Comentada da Editora Abril.

É PRECISO VIVER ARDENTEMENTE

LITERATURA COMENTADA - Há meio século, Jorge Amado, você lan­çou seu primeiro livro. Em setembro de 1981 comemora-se o cinqüentená­rio de O País do Carnaval. Esta entre­vista será incluída num livro dedicado especialmente a você, que será lança­do no dia 10 de agosto, exatamente o dia em que você estará completando 69 anos de idade. Nossa intenção é fa­zer uma entrevista biográfica. Mas, nu­ma entrevista de 1980, à revista france­sa Lui, você disse que não gostava de falar de si mesmo. Por quê?
JORGE AMADO
- É verdade, não gosto. Tem gente que adora fa­lar de si próprio, alguns porque não têm importância nenhuma e falam para se dar importância, e outros, que são importantes, falam porque gostam. Agora, eu não sou importan­te e não gosto de falar sobre mim; aliás, não gosto nem de ouvir falar a meu respeito: fico encabuladíssimo, fico assim sem jeito... eu não gosto, é uma maneira de ser.

LC - Portanto, é normal que o públi­co tenha uma grande curiosidade so­bre o homem Jorge Amado. Em grande parte, os leitores de Literatura Comentada são jovens que não viveram tudo isso e querem saber suas opiniões, suas versões. Insistindo: essa entrevista tem um objetivo basicamente biográfico.
JA
- Está bem, concordo. Estou às ordens. Toca o bonde!

LC - Para começar, você poderia fa­lar um pouco sobre seu pai, João Ama­do de Faria, e sobre dona Eulália Leal, a dona Lalu, sua mãe.
JA
- Eu quero falar um pouco tam­bém sobre o meu nascimento porque há uma coisa controvertida. Há notícias diferentes, erradas. Há muitíssimos anos, na Enciclopédia Larousse, da França, existe um verbete que me dá como nascido em Piranji. Pi­ranji é uma coisa que não existe mais. Deve existir outro no Brasil, porque aquele teve que mudar de no­me, passou a ser Itajuípe. Outro dia, num texto que escrevi para uma re­vista que dedicou um número a mim, a Vogue, eu disse que não nas­ci em Piranji, ao contrário, Piranji eu vi nascer. Eu assisti ao seu nasci­mento, desde as primeiras casas que foram construídas.
Em geral, me dão como nascido em Ilhéus, o que é muito compreen­sível, pois eu fui pra Ilhéus com um ano, ou, para ser exato, com um ano e cinco meses, pois fui pra lá em janeiro de 14 e nasci em agosto de 12. Mas eu nasci realmente numa fazen­da de cacau que meu pai estava montando, perto de um arraial cha­mado Ferradas, distrito do municí­pio de Itabuna. O nome da fazenda era Auricídia... hoje, o arraial cres­ceu, chegou lá, chegou até a casa on­de nasci. Aliás, faz poucos anos, eu estive lá e a população foi muito ge­nerosa comigo, muito cordial, todo mundo me esperando na rua...
Sou nascido em Ferradas, distrito de Itabuna, sou itabunense, ou seja, sou um grapiúna da região do ca­cau. Mas Ilhéus também é minha ci­dade no sentido de que é o lugar on­de eu vivi a minha infância - a in­fância, um tempo muito importante na vida da gente. E também a mi­nha adolescência, as férias. Ilhéus é uma cidade extremamente ligada à minha vida, como todo o sul da Ba­hia, toda a região do cacau. Itabuna fica a 25 quilômetros de Ilhéus. Quando estava em Ilhéus, ia pra Ita­buna sempre. Quando morreu meu irmão Jofre, nós fomos pra Itabuna porque minha mãe não quis ficar em Ilhéus. Passamos lá um ano e tanto, foi quando nasceu meu irmão Joelson, que é médico e mora em São Paulo. Dos três irmãos, o único nascido em Ilhéus é James.
Assim, eu sou, ao mesmo tempo, um menino de Itabuna e Ilhéus, co­mo o Adonias Filho, que é nascido em ltajuípe, o antigo Piranji, e cria­do em Ilhéus.

LC - Seu pai era fazendeiro, pioneiro do cacau ...
JA
- Meu pai foi um homem que viera muito cedo de Sergipe, da cida­de de Estância. Viera no início do sé­culo, quando das grandes lutas en­volvendo o cacau, ele se envolveu nessas lutas, participou delas...

LC - Lutas pela posse das terras?
JA
- A terra não era de ninguém, era mata, ele veio para ocupar a ma­ta. A luta era para ver quem ficava com as melhores terras para plantar cacau. Meu pai plantou essa fazenda Auricídia - aliás, a saga que es­tá contada em Terras do Sem Fim - e, bastante tempo depois, casou­-se com minha mãe, dona Eulália Leal, que também era de uma famí­lia de desbravadores da terra.

LC - Em conseqüência você acabou fugindo. Conta essa fuga.
JA
- Quando terminei o segundo ano, pedi a meu pai que não me mandasse mais pro colégio interno. Como eu estava indo bem na escola, o Vieira era o melhor colégio de Salvador e meu pai podia pagar, ele dis­se que sentia muito, mas como eu já estava lá, queria que eu continuas­se. Cheguei aqui pra ir pro Vieira e o meu tio Alvaro, esse personagem formidável da minha infância, me le­vou até a porta do colégio e me dei­xou lá com o dinheiro pra pagar as despesas.
Bem, aí ele foi para um lado, eu fui pro outro e fugi. Eu tinha menos de treze anos naquela época. Foi uma coisa muito importante pra mim essa fuga.

LC - E foi pra onde?
J A
- Eu atravessei todo o sertão da Bahia até Sergipe. É uma via­gem hoje, você pode fazer em horas... tão poucas horas, mas, na­quele tempo, eu levei dois meses pa­ra atravessar, dois meses vagabun­dando.
Pelo caminho, eu fui parando, fa­zendo amizades. Meu dinheiro aca­bou logo. Gastei rapidamente o di­nheiro que tinha, logo no início da viagem. Comprei uma coleção de re­vistas de cinema num sebo de li­vros. Mas consegui atravessar e vi­ver sem nenhuma dificuldade. Cheguei até Itaporanga, onde vivia meu avô, o velho Zé Amado, pai de meu pai. E o curioso é que meu pai dei­xou.

LC - Ficou acompanhando à distân­cia?
JA
- À distância. Pronto, natural­mente para intervir se qualquer coi­sa de pior me passasse, mas ele dei­xou... Depois, quando chegou junho, as férias de São João, meu pai pediu pra tio Álvaro ir me buscar.
Eu vim certo que ia levar uma surra, mas quando cheguei em casa ele só perguntou por que tinha fugi­do. Eu disse que não queria mais es­tudar. Pois muito bem, ele respon­deu, você vai pra fazenda.

LC - Foi plantar cacau?
JA
- Eu fiquei lá seis meses. No fim do ano, ele me perguntou se queria voltar a estudar e eu disse que queria. Ele me mandou pro ginásio Ipiranga, um internato que fica aqui pertinho. No Ipiranga, fui cole­ga do Adonias Filho. No Vieira, fui contemporâneo de muita gente de­pois importante, como o Mirabeau Sampaio, meu amigo até hoje, o Gio­vanni Guimarães, o Paulo Peltier de Queirós, o Antônio Balbino, que foi governador da Bahia, o jurista Maximiano da Mata Teixeira, o poeta Hélio Simões, o jornalista Jorge Calmon.

LC - Só que, apesar de tudo, você acabou voltando a um internato,
JA
- O Ipiranga era um internato muito mais brando. A gente pulava o muro todas as noites e ia pras ca­sas de putas, ia pras festas, para a rua Carlos Gomes, pro beco de Ma­ria Paz ... eu fui amigado com uma rapariga chamada Benedita e então, toda noite, à meia-noite, pulava o muro e ia ficar com ela.
O Ipiranga era muito mais livre que o Antônio Vieira. Isaías Alves de Almeida era um homem que dei­xava o barco correr. A meu ver, tinha mais sensibilidade pra tratar com os jovens do que os jesuítas- ­hoje não, mas, naquela época, os pa­dres eram mais presos, mais conser­vadores. Um grupo de internos pula­va o muro do colégio todas as noites e saía para a vida.
Passei lá um ano mas, no fim, já tinha liberdade de sair sem precisar fugir. No outro ano, já estava com catorze anos de idade, não voltei mais para o internato, cumprira mi­nhas primeiras prisões.

LC - Em 1927, ao voltar pra Salva­dor, você fica externo do colégio e pu­blica um poema?
JA
- Ah! publicado na Luva, uma revista considerada importante. O tí­tulo era Poema ou Prosa: Uma sáti­ra aos poemas da época, poema­-prosa, prosa-poema... é uma coisa as­sim, uma espécie de gozação, um cer­to tipo de poesia modernista.
Bem, ao voltar, eu comecei a vi­ver a vida do povo da Bahia. Para mim, foi a coisa mais importante de todas. Eu tinha catorze anos e come­cei a trabalhar em jornal, primeiro no Diário da Bahia, depois num jornal chamado O Imparcial - onde eu viria a trabalhar de novo, em 43, depois de ser solto pela polícia do Rio. Como eu dizia, em 27 comecei a trabalhar em jornal e a viver mistu­rado com o povo da Bahia. Era o pior estudante do mundo... vivia num casarão, no Pelourinho. Hoje tem uma placa no sobrado onde ha­bitei, atualmente um hotel. Uma placa, falando de Suor, que eu iria escrever em 34. Eu morava naquele casarão, numa água-furtada, nos al­tos. Quando morei lá, via aqueles ra­tos que subiam escada acima ... era cada rato deste tamanho, um negó­cio terrível! Mas eu não achava ter­rível na época, eu era um garoto. Co­mia nos botecos mais incríveis, por­que não tinha dinheiro.

LC - Doenças venéreas já com cator­ze, quinze anos?
JA
- E, eu tinha uma vida muito ativa e misturada: festinhas popula­res, casas de raparigas. Posso dizer que a minha educação, em grande parte, se processou nas casas de ra­parigas.

LC - Enfim, para um adolescente dos anos 20, você tinha uma boa vida?
JA
- E tem mais. O pessoal dos sa­veiros, por exemplo, era todo meu amigo. Eu saía, tomava um saveiro, ia pra Cachoeira, Valença, Porto Se­guro, Maraú. Eu tinha uma vida muito livre, admirável no sentido de gostosa, de agradável.

LC - No início dessa entrevista, você disse que adquiriu consciência do pro­blema racial em Salvador, em 1927...
JA
- Foi quando eu passei a viver misturado com o povo da Bahia que o problema racial começou a me afe­tar. Foi sobretudo a minha relação com o povo dos candomblés, vendo a perseguição terrível de que eram ob­jeto os cultos afro-brasileiros.
Mas eu nunca tive dúvidas: o pro­blema racial é conseqüência do pro­blema social. Não existe um proble­ma racial isolado do contexto social. Se você isolar, vai errar na apreciação do problema e na busca das soluções. A solução não é você botar os pretos e os brancos a se matarem en­tre si.

LC - A solução é fazê-Ios dormir uns com os outros?
JA
- Exato. Não há outra solução para o problema de raça no mundo senão a mistura. Não há outra e, se alguém tiver, que me apresente... quero ver! Não é um racismo diferente, seja racismo preto, seja racismo árabe ou judeu, que vai acabar com o problema. Você não acaba com o racismo botando racismo con­tra racismo. Isso é uma coisa idiota, '' que está em moda, mas é uma moda superficial... é como uma dessas erupções que se tem na pele, brotoejas, coceiras, que acabam passando.

LC - Você já fazia literatura nesse pe­ríodo?
JA
- Subliteratura. Naquele tem­po, as idéias viajavam em navio de carga e levavam anos pra chegar. O Modernismo, que explodiu em São Paulo em 22, levou cinco, seis anos pra chegar aqui... chegou por volta de 26, 27, com o primeiro livro de Eugênio Gomes, o poema Moema, com o primeiro livro de Godofredo Filho, A Balada de Ouro Preto. Por volta de 27, formaram-se aqui três grupos de jovens: o grupo Arco e Fle­cha, que publicava a revista Arco e Flecha, o Samba, que tinha a revis­ta Samba, e a Academia dos Rebel­des, que editava a revista Meridia­no.
O Arco e Flecha tinha como guru o Carlos Chiacchio, crítico literário do jornal A Tarde,·e reuniu pessoas como Pedro Aguiar, Hélio Simões, Carvalho Filho, o próprio Godofredo - Godofredo era mais velho -, Queirós Júnior e Eurico Alves.
O nosso grupo era a Academia dos Rebeldes, de uma rebeldia arretada. Na Academia estavam pessoas que depois foram literariamente muito importantes: o contista Dias da Cos­ta, o grande ensaísta e etnógrafo Edison Carneiro, o grande poeta So­sígenes Costa, João Cordeiro, Wal­ter da Silveira, Clóvis Amorim, Ai­dano do Couto Ferraz. Nosso guru era um homem chamado Pinheiro Viegas, poeta panfletário muito im­portante.
Era um homem de quase oitenta anos, que é um pouco o Pe­dro Ticiano do meu primeiro, livro, O País do Carnaval. Eu e o Edison Carneiro vivíamos juntos o dia intei­ro. Nós, mais o Dias da Costa, íamos juntos pras casas de mulheres, vivía­mos comendo no mercado das Sete Portas ... comendo. sarapatel à meia­ noite na feira de Água de Meninos.
Brigávamos uns grupos com os ou­tros, mas todos queríamos a mesma coisa, a renovação literária e modifi­cações na sociedade. Era o tempo do "tenentismo".
Nós éramos muito ligados à vida popular. O Edison já começava seus estudos de etnografia, de antro­pologia social. Com ele e Artur Ra­mos, comecei a freqüentar os candomblés. Outro dia, a Menininha de Gantois recordava que ela me conhe­ce há mais de cinqüenta anos, daí pra lá... ela jovem mãe-de-santo, ho­je está com 84 anos, devia ter uns, trinta anos.
Nessa época me tornei amigo do pai-de-santo Procópio. Foi ele quem me deu o primeiro título de candom­blé, Ogan de Oxóssi. Procópio foi o pai-de-santo que mais perseguição sofreu da polícia por causa da questão religiosa. Ele tinha as costas marcadas pelas torturas. A questão religiosa, racial, era muito mais in­tensa do que hoje... muito mais vio­lenta.
A polícia chegava, invadia, pren­dia. Eu marquei isso, primeiro em Jubiabá, depois em Tenda dos Mila­gres.

LC - Aliás, você é um dos doze Obás da Bahia, não?
JA
- Sou, o Carybé é outro e o Caymmi também. E não é por aca­so. Tenho vários títulos, um título dado por Joãozinho da Goméia, Ogan de Iansã no candomblé da Go­méia. Joãozinho foi meu amigo e seu caboclo Pedra Preta foi herdado pela minha amiga Mirinha do Portão, que dançou tão bonito outro dia na festa do povo pra Carybe. Es­sa gente toda é minha amiga, eu sou um deles.
Não é por acaso que tenho esses tí­tulos. Desde criança eu vivo mistu­rado com o povo dos candomblés. Em 43, quando a polícia do Rio me soltou e me forçou a viver em Salva­dor - e eu vivi aqui até 44, dois anos -, não fiz outra coisa senão ir à polícia buscar as armas de santo e as coisas todas dos candomblés que a polícia invadia, tomava os emble­mas sagrados e os levava. Eu ia lutar para tirar meus amigos da ca­deia ... Fui amigo de Procópio, de Aninha, a mãe- de-santo Aninha, uma figura extraordinária de mu­lher. Quando ela morreu, em 38, o enterro dela foi acompanhado por 5 mil pessoas, um enterro nagô, mag­nífico.

LC - Logo depois disso, Jorge, você se ligou ao Partido Comunista, um par­tido marxista, materialista ...
JA
- Em Tenda dos Milagres, que é o romance meu de que mais gosto, a certa altura, o professor de medici­na pergunta a Pedro Archanjo como é que ele, sendo um materialista, conciliava isso com sua atividade no candomblé. Pedro Archanjo respon­deu que "o meu materialismo não me limita".
Eu sou materialista, mas meu ma­terialismo não me limita. Então, se o povo dos candomblés me dá um tí­tulo e eu aceito, eu tenho que cum­prir as obrigações desse título. Se­não, eu não estaria tendo com eles o mesmo tipo de relacionamento, de amizade que eles têm comigo. Por is­so, quando entro no Axé Opô Afon­já, com meus colares, faço tudo o que tenho que fazer e faço exatamen­te tudo com o maior prazer... Eu não poderia escrever sobre a Bahia, ter a pretensão de ser um romancista da Bahia se não conhecesse realmen­te por dentro, como eu conheço, os candomblés, que é a religião do povo da Bahia.

LC - Em 1935, você lançaria Jubiabá, em 1936 publicaria Mar Morto ... mas no começo de 1936 foi preso.
JA
- No começo de 36. Em novem­bro de 35, no dia 27, houve o levan­te do III Regimento de Infantaria. Fomos presos vários intelectuais... Eu acho que alguém que foi preso antes, foi espancado e falou. Graci­liano Ramos foi preso em Maceió e levado pro Rio. Eu fiquei preso dois meses na Polícia Central. Vários in­telectuais foram presos na época, Santa Rosa, Caio Prado Júnior, Di Cavalcanti, Hermes Lima, Eneida, Castro Rebelo, Aporelly, Álvaro Mo­reyra etc.

LC - Nunca te interrogaram?
JA
- Nunca me interrogaram. Fi­quei lá um bocado de tempo... era uma prisão muito ruim por ser na Policia Central, com presos sendo torturados à noite. Eu não fui tortu­rado, mas estive preso com gente que foi terrivelmente espancada.

LC - Você atribui sua prisão a seus li­vros?
JA
- Eu tive uma militância gran­de na Aliança Nacional Libertado­ra... O Congresso Juvenil Proletá­rio- Estudantil... não me lembro mais o nome, de 34, foi convocado com três assinaturas: a minha, a do Carlos Lacerda e a de um rapaz cujo nome não recordo, que era secretá­rio da Juventude Comunista.

LC - Só um parêntesis: em outras en­trevistas, em artigos e verbetes de enci­clopédia, consta que você só entrou no Partido Comunista em 1945.
JA
- Meu contato com o Partido é anterior a essa época. Em 45 minha militância fica pública. Eu era liga­do à juventude. Naquele tempo, ha­via Juventude Comunista.

LC - Como foi sua libertação?
JA
- Em certo momento me bota­ram em liberdade. Nunca me ouvi­ram. Fiquei dois meses lá, jogado. Saí, fui pra Sergipe, a cidade em que meu pai nasceu, Estância, e lá terminei Mar Morto. Em 37, a coisa tinha melhorado um pouco, acabara o estado de guerra, a candidatura de Zé Américo estava lançada. Aí eu viajei por toda a América Latina: Uruguai, Argentina, Chile, Méxi­co ... onde conheci Orozco e Rivera, escritores como Alfonsus Reves. E depois fui até os Estados Unidos, onde conheci Michael Gold, vários escritores, John dos Passos.

LC - Você voltou pouco antes do gol­pe do Estado Novo?
JA
- Eu cheguei a Belém em outu­bro. O Dalcídio Jurandir foi me ver às escondidas e disse pra eu sair imediatamente do Brasil que ia ha­ver um golpe. Ele achava que eu se­ria mais útil no exterior, pra gritar contra o golpe lá fora.

LC - Capitães da Areia tinha sido lan­çado em setembro, não?
JA
- Tinha saído e estava sendo apreendido. Em São Paulo, na Ba­hia, estava sendo queimado em pra­ça pública. Em Salvador tem até ata da queima... 1 694 exemplares dos meus romances queimados em pra­ça pública por ordem do comando da 6ª. Região Militar.

LC - Em 1945 você presidiu a delega­ção baiana e foi vice-presidente do Pri­meiro Congresso dos Escritores.
JA
- O Congresso foi a primeira de­monstração pública contra o Estado Novo.
Aqui na Bahia eu escrevi São Jor­ge dos Ilhéus e a primeira versão do Guia da Bahia de Todos os Santos, que teve sucessivas modificações pa­ra se atualizar. E escrevi uma peça de teatro, “D. Amor do Soldado”, pra Bibi Ferreira, que colocou em mi­nha mão um cheque de 20 contos, um dinheiro aloprado naquele tem­po... não resisti, aceitei e escrevi; só que quando terminei, ela já não ti­nha a companhia teatral.
Ai fui pra São Paulo, passei um ano em São Paulo, aceitei mudar porque o Partido decidiu que eu de­via ficar lá. Fui diretor do jornal do Partido, o Hoje, junto com o Caio Prado, o Clóvis Graciano...

LC - E acabou sendo deputado por São Paulo à Assembléia Constitu­inte?
JA
- Eu não queria ser candidato, aceitei por decisão do Partido e aca­bei eleito. O Partido disse: "Você se candidata e depois renuncia". Mas eu fui muito votado, fui um dos qua­tro eleitos, o mais votado foi o José Maria Crispim, o segundo foi o Os­valdo Pacheco, eu fui o terceiro e o quarto, um ferroviário, não lembro o nome dele ... Eu conheci muita gen­te do povo aí, nos comícios ... em San­tos eu tinha tanta popularidade que o Partido, para garantir a eleição do Osvaldo Pacheco, proibiu a ida das minhas cédulas pra lá. Considera­vam que eu estava eleito no Estado, o que era verdade.

LC - Você lembra quantos votos teve?
JA
- Não, não me lembro. Bem ... eu fui eleito, deixei minha carta de renúncia com o Partido e fui pro Uruguai com Zélia. Nós tínhamos casado em julho. Ela não conhecia o Uruguai. Quando estava lá, recebi um telegrama pedindo que eu voltas­se. Queriam que eu assumisse, por­que eu tinha tido uma grande vota­ção e o fato de eu renunciar podia soar mal junto àqueles que tinham votado em mim. Queriam que eu fi­casse três meses.

LC - Falando um pouco de coisas ínti­mas, você se casou em 1933 com Ma­tilde Garcia Rosa.
JA
- É verdade. Fui casado com ela até 44, quase dez anos.

LC - Tiveram filhos?
JA
- Tive uma filha, Lila, em 35, que morreu quando eu estava na Eu­ropa, ela estava com catorze anos.

LC - Sua atual esposa escreveu· Anar­quistas, Graças a Deus. No intervalo da conversa, ela disse que está escre­vendo um livro contando fatos de sua vida.
JA
- Zélia é uma ótima contadora de histórias.

LC - Desde quando vocês estão casa­dos?
JA
- Em 45 me casei com Zélia ... casei sem casar, porque naquele tempo não havia o divórcio. Ontem nós comemoramos três anos de casa­dos pela lei. Legalmente. E temos... faz... vai fazer 36 anos em julho que realmente somos companheiros.

LC - Seus filhos nasceram durante os cinco anos de Europa?
JA
- Não, João Jorge está com 33 anos, nasceu aqui em 47. Paloma nasceu em Praga, em 51, fará trinta anos em agosto.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A volta de dona doida

Adélia Prado lança novo livro nesta semana

Desde 1999, quando publicou Oráculos de maio, a poeta Adélia Prado não lançava um livro de poemas. O jejum termina nesta semana, quando chega às livrarias A duração do dia (Record, 112 pp., R$27,90), no qual ela continua a escrever para manter um diálogo com Deus – em seus versos, estabelece-se uma ponte com a transcendência e uma crença na perenidade da carne e na eternidade da alma. Considerada uma das maiores poetas brasileiras vivas, Adélia tanto flerta com a metafísica como se atém aos detalhes do cotidiano, mas, acima de tudo, aposta na grandeza das pequenas coisas. Soma agora oito títulos de poesia, versos que traduzem o sagrado no cotidiano e que inspiraram Fernanda Montenegro a montar o monólogo Dona Doida, em 1987, com poemas colhidos em sua obra.

Fonte:
O Estado de S. Paulo - 08/08/2010

sábado, 7 de agosto de 2010

Mostra Jorge Amado de arte & cultura

Se vivo estivesse, nesta terça-feira, dia 10, Jorge Amado completaria 98 anos
Na próxima terça-feira, se vivo estivesse, Jorge Amado completaria 98 anos bem vividos. Para comemorar a data, mas já preparando o terreno para o seu Centenário em 2012, estamos realizando através da Fundação Cultural de Ilhéus, onde sou Diretor de Projetos, entre 09 e 13 de agosto, a Mostra Jorge Amado de Arte & Cultura, reunindo diversas manifestações artísticas que buscam valorizar o imaginário, a obra e preservar a memória do escritor que tanto colaborou com a divulgação direta e indireta do nosso município em âmbito internacional.
Neste ano, uma programação ampla e diversificada inclui visitas dirigidas de estudantes e população à Casa de Jorge Amado com receptivo artístico; apresentações gratuitas de filmes baseados na obra de Jorge Amado; exposição de artes plásticas sob a coordenação do artista plástico e Professor Guilherme Albagli, com obras e biografia de pintores que ilustraram capas de livros de Jorge Amado. E não pára por aí. Também está programada a apresentação do espetáculo: “Jorge Amado: Santo de Casa”, sob direção de Soânne Marry, que mescla dança, teatro e música ao vivo. Trata-se de uma apresentação exclusivamente pensada e concebida para homenagear o autor em seu mês de aniversário. Na oportunidade haverá o agradecimento público a algumas personalidades que têm dado apoio ao fomento da cultura na cidade.

Também estamos promovendo em parceria com o Departamento de Letras e Artes da UESC, o Seminário sobre a obra de Jorge Amado. Trata-se de um evento aberto a todos os estudantes, universitários ou secundaristas, que contará com palestras de importantes estudiosos da nossa região. Entre eles: Ruy Póvoas (A influência da religiosidade africana na obra amadiana), Maria de Lourdes Netto Simões (O turista leitor de Jorge Amado) e André Rosa (Memória e identidade na obra de Jorge), com mediação de Maurício Corso, Jornalista e Presidente da Fundação Cultural de Ilhéus. Ainda teremos o lançamento de obras literárias inspiradas na obra de Jorge Amado e apresentação de vídeo-documentário.
Para Maurício Corso, a Mostra está cercada pela essência e pelo respeito à obra amadiana, também a toda história regional, conceituando suas ações na perspectiva de oferecer não apenas mais uma referência, mas o fomento à memória, à arte e cultura.
A Mostra conta com o total apoio da Prefeitura Municipal de Ilhéus e da Universidade Estadual de Santa Cruz.

PROGRAMAÇÃO
De 09 a 13
Horas: Dia todo
Local: Casa de Jorge Amado
Atividade: Visitas dirigidas de estudantes e população à Casa de Jorge Amado com receptivo artístico.

Dias 09 e 12
Horas: 18:30h
Local: Sala de TV da Casa de Jorge Amado
Atividade: Apresentações gratuitas de obras cinematográficas baseadas na obra de Jorge Amado. São elas: Seara Vermelha e Gabriela.

Dia 09
Horas: 16h
Local: Foyer do Teatro Municipal de Ilhéus
Atividade: Abertura da exposição de artes plásticas com obras e biografia de pintores que ilustraram capas de livros de Jorge Amado. Coordenação: Prof. Guilherme Albagli/UESC.
Dia 10
Horas: 20h
Local: Teatro Municipal de Ilhéus
Espetáculo “Jorge Amado: Santo de Casa”. Apresentação dirigida por Soânne Marry. Exclusivamente pensado para homenagear Jorge Amado em seu mês de aniversário. Trata-se de um espetáculo que mescla dança, teatro e música ao vivo.

Dia 11
Horas: 18h
Local: Auditório da Fundação Cultural de Ilhéus
Seminário sobre a obra de Jorge Amado, em parceria com o DLA da UESC. Palestras de Prof. Msc. Ruy Póvoas (A religiosidade africana na obra amadiana); Profa. Dra. Maria de Lourdes Netto Simões (O turista leitor de Jorge Amado); Prof. Dr. André Rosa (Memória e identidade na obra de Jorge Amado).

Dia 13
Horas: 18h
Local: casa de Jorge Amado
Atividade: Lançamento do livro: Documentário e Turismo Cultural: Um Olhar sobre Jorge Amado de Renata Smith – com apresentação de vídeo-documentário.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

De olhos fechados

Henrique Wagner

A escuridão de não poder te ver
parece feita de uma estranha luz:
de muita dor e de irreal prazer,
que à imensidão e a meu papel conduz.

Escrevo tudo o que me faz reler
em cada verso de canções azuis,
a natureza de um real Monet
e a tua ausência, que inda me seduz.

Pois foi por ti que me guiei no escuro,
e se é verdade que inda te procuro
é porque vives, bem no fundo, em mim.

Se nesta febre de viver aceso
eu me encontrar a ti, eterno e preso,
é que cheguei por onde outrora vim.

Henrique Wagner é baiano de Salvador, onde reside. É poeta, contista, ensaísta e crítico de cinema. Colaborou com os jornais A TARDE, Correio Brasiliense, Rascunho, entre outros. Publicou os livros de poemas “O grande pássaro” e “As horas do mundo”, e o livro de ensaio “A linguagem como estética do pensamento”.

Atacando de Letrista

Tenho feito letras de música em parceria com alguns compositores aqui da minha região. Entre eles Mither Amorim, da Banda Manzuá. Os primeiros frutos estão começando a aprarecer, pois com a música África ficamos em 2º Lugar no já tradicional Festival Multiarte Firmino Rocha. As vocalistas da banda, Brisa Aziz e Laísa Eça ficaram com o prêmio de melhor intérprete feminino.
Abaixo, a apresentação no Festival.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Continuando com o Pasticho

Lourival Pereira Filho, o Piligra, é, apesar de bastante jovem, provavelmente, o poeta brasileiro que mais se valeu do Alexandrino Trímetro (verso com cesura nas 4ª, 8ª e 12ª sílabas) para compor a sua lira, tendo escrito mais de dois mil sonetos dentro dessa forma. Temos um contato muito próximo, o que nos faz ter acesso em primeira mão à produção um do outro. O resultado dessa forte amizade é que sobrou para mim a revisão dos poemas do seu próximo livro, o que me levou a internalizar o ritmo da sua poesia e cometer também o meu Pasticho, um exercício apenas, dentro daquela forma poética tão peculiar do meu amigo. Aproveitei o tema impresso em “Desencanto” e “Esperança”, de Manuel Bandeira e Jorge Medauar, respectivamente, para construir o meu Alexandrino, embora na forma e na linguagem, o modelo é a poesia do meu amigo.

Concepção
Piligra

eu já concebo o verso assim metrificado
como arquiteto que planeja um edifício
na exatidão do prumo reto e equilibrado
sem perguntar se isto é fácil ou é difícil!

eu já concebo a rima assim – intercalada,
numa urdidura trabalhosa e singular –
puxando o fio de cada sílaba marcada
pelo tecido de uma métrica “sem par”!

eu já concebo o meu soneto alexandrino
(como a matriz de uma equação vetorial)
fazendo cálculo semântico e verbal,

com meu compasso atrapalhado de menino!
eu já concebo o meu poema ornamental
como operário que dá forma ao que é divino!


Inóspita Claridade
Gustavo Felicíssimo

Eu faço versos por viver na poesia
todo universo do real e do abstrato,
feito um menino que contempla a fantasia
enquanto bárbaros renegam seu retrato.

Eu faço versos porque vejo a claridade
do novo tempo que está prestes a nascer,
quando irmanados e distante a falsidade
a humanidade poderá se conhecer.

Verá sua face no sorriso da criança,
em cada gesto de modéstia ou de virtude:
no seu semblante verá toda plenitude.

Verá que a luz se faz presente e a esperança,
palavra viva, vem somar-se à liberdade,
reconduzida ao seu lugar, junto à verdade.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Flip em toda parte

O assunto que agora está na boca do povo é a literatura. Nas páginas dos jornais e revistas. A 8ª Festa Literária Internacional de Paraty começa na quarta-feira (4) e foi destaque em todos os cadernos culturais do fim de semana. O Prosa & Verso, do Globo, por exemplo, dedicou todo o caderno à festa e incluiu resenhas dos livros que serão lançados lá. A matéria principal, no entanto, falava sobre a repetição dos autores brasileiros, também tema de matéria da Folha de S. Paulo. A falta de ficcionistas na programação também foi sentida. A revista Época questionou a capacidade de Paraty receber o número sempre crescente de turistas, mas comentou sobre o bem que o evento faz para a cidade. Já o Estadão foi ouvir Liz Calder, a mãe da Flip, ou a dama das letras como colocaram, que se lembrou de fatos curiosos, como o sorriso do sisudo Coetzee ao comprar um pé de moleque na rua.

Fonte:
PublishNews - 02/08/2010

Ainda Bandeira e Medauar

Após o Pasticho a que nos referimos na postagem anterior, Manuel Bandeira em uma de suas crônicas transcreveu os versos de Medauar e lhes deu resposta impressa no poema “A Jorge Medauar”, justificando a tréplica dizendo com o seguinte argumento: Eu poderia me limitar a agradecer ao poeta o abraço e dizer-lhe que lhe ficam muito bem os sentimentos expressos nesses versos. Mas, em mim, pelo menos, verso puxa verso. Aquelas “tintas da madrugada” alvoroçaram o que ainda me resta de bossa poética, no coração contrito. O resultado foi essa insignificância, que ofereço, dedico e consagro

A Jorge Medauar
Manuel Bandeira

Há trint’anos (tanto corre
O tempo! escrevi a poesia
Onde disse que fazia
Meus versos como quem morre.

Ainda não eras nascido.
Agora, orgulhosamente
Moço, ao poeta velho e doente
Parodiaste destemido:

“Das batalhas em que estive
É o suor que em meu verso escorre!
Tu o fazes como quem morre:
Eu o faço como quem vive!”

Façam-no como quem morre
Ou quem vive, que ele viva!
Vive o que é belo e deriva

Da alma e para outra alma corre.

Verso que dele se prive,
Ai dele! Quem lhe socorre?
Nem Marx nem Deus! Ele morre.
Só o verso, com alma, vive.

Deste ou daquele pensar,
Esta me parece a reta,
A justa linha do poeta,
Poeta Jorge Medauar.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Um Pasticho genial

Pasticho é a imitação do estilo de determinado autor. Muitas vezes elaborado para ser a outra face do poema original. Não confundir com paródia, pois enquanto um à maioria das vezes homenageia o autor imitado, a outra imita com intenção satírica.
Em “Desencanto”, famoso poema de Manuel Bandeira, o poeta, por motivos muito conhecidos canta “Eu faço versos como quem morre”. Mais de trinta anos após, Jorge Medauar, ainda um jovem, diz em outro poema: “Eu faço versos como quem vive”. Deu-se, então, segundo Hélio Pólvora, “uma escaramuça cordial, com ampla repercussão nos meios literários do Rio de Janeiro”. O próprio Bandeira, ao nosso ver, erroneamente, tratou o poema de Medauar como uma paródia, o que, sem dúvida alguma, não é.


Desencanto
Manuel Bandeira

Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo algum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai gota à gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

- Eu faço versos como quem morre.

Esperança
Jorge Medauar

Eu faço versos como quem luta
De armas em punho... de armas nas mãos...
Forma ao meu lado, pois na labuta
Os companheiros são como irmãos.

Meu verso é aço. Fornalha ardente...
Peito ou bigorna... Braço ou trator...
Corre entre o povo. Salgado e quente,
Cai gota a gota, por que é suor.

E nestes versos de luta ousada
Deixo a esperança que sempre tive
Nas tintas rubras da madrugada.

- Eu faço versos como quem vive.

domingo, 1 de agosto de 2010

Micro entrevista do mês com Zeca Baleiro

Esse é apenas um excerto de uma entrevista que fiz com Zeca Baleiro há alguns anos atrás, quando lançou “Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé – de Ariana para Dionísio”, onde musicou dez poemas de Hilda Hilst e contou com algumas intérpretes de peso da música brasileira como Rita Ribeiro, Verônica Sabino, Maria Bethânia, Jussara Silveira, Ângela Ro Ro, Na Ozzetti, Zélia Duncan, Olívia Byington, Mônica Salmaso e Ângela Maria.
GF – Como se deu o seu encontro com a poesia?
ZB
– Desde menino fui estimulado a ler muitos livros. Meu pai sempre foi um leitor compulsivo e quase que nos abrigava a ler os clássicos, Machado, José de Alencar, Dostoievski, etc... Eu, de todos os irmãos, devo ter sido o que menos livros li, preguiçoso que eu era. Por preguiça até, lia mais livros de poesia que romances, por exemplo. Foi assim que conheci grandes poetas e me encantei com a poesia.

GF – Inúmeros poetas e críticos literários sempre fizeram questão de afirmar que letra de música não é poesia, o que você pensa sobre esse assunto?
ZB
– É poesia sim, só que noutra instância, diferente da poesia literária. É outro “approach”, outra abordagem, tem que servir à música, e deve ser mais acessível, mais palatável.

GF – Você faz poesia que serve à essa estética literária?
ZB
– Tenho umas coisas guardadas, mas não sinto vontade de publicar, pelo menos não por agora.